Todas as Notícias - Roubo e furto de caminhões caíram 26,63% no último ano

O índice de roubo e furto de veículos pesados caiu 26,63% no primeiro trimestre de 2015, comparado com o mesmo período do ano passado, segundo o Grupo Tracker, maior empresa de rastreamento e localização de veículos do Brasil. A queda também foi registrada na comparação com os últimos três meses de 2014. Entre outubro e dezembro foram 160 ocorrências, contra 169 de janeiro a março deste ano, uma queda de 22,50%.

            Outro levantamento recente do Grupo Tracker, apontou que o maior número de roubos e furtos de veículos no Brasil ocorre às quartas-feiras, com 18,71% dos casos, seguido pelas quintas-feiras, com 17,12%. O sábado aparece com 10,22%, sendo o dia com o menor número de ocorrências. Já em relação ao período (manhã, tarde, noite e madrugada), o levantamento mostra que 31,39% dos casos acontecem à noite, o pior momento do comparativo. A empresa analisou aproximadamente 4 mil casos, referentes ao ano de 2014.

            A empresa oferece para o mercado um rastreador específico para carga (Tracker Carga), com tecnologia de radiofrequência e bateria autônoma, capaz de localizar cargas roubadas mesmo dentro de caixas, baús e depósitos fechados.

            Já o Tracker Carreta é o único dispositivo do mercado voltado exclusivamente para carretas, já que a maioria dos roubos de carga no país é feita com a troca do “cavalo”. Para que a atuação seja eficiente, o produto possui uma bateria autônoma, com duração de 12 meses.

            E o Tracker Log, com radiofrequência e GPS/GPRS embarcados, permite monitorar e gerenciar todo o sistema de transporte e logística em 360°, atendendo desde o próprio motorista, até Transportadores, Embarcadores e Gerenciadoras de Risco.

Em 14 anos de atividade, o Grupo Tracker já recuperou mais de 33 mil veículos, evitando um prejuízo de cerca de R$ 3 bilhões. A empresa também oferece produtos baseados no GPS/GPRS indicados para monitoramento e gestão de frotas. Todos certificados pela ANATEL, ANAC e CESVI.

Comentários


Pouco Muito





Captcha Image